quinta-feira, 24 de abril de 2014
Já pensou se nossa vida fosse comparada à um espetáculo ? Se nós fossemos surpreendidos a cada palavra por um sorriso ou apenas aquela gargalhada gostosa de se ouvir, e por fim aqueles aplausos maravilhosos...
Treze de abril de dois mil e quatorze, era a parte da tarde, o trabalho estava chato pois a hora do café em minha opinião é horrorosa, onde aquelas senhoras, sim senhoras, querem saber da minha vida pois sou a única estagiária, quantos namorados, livros lidos e como que é tomar café com chocolate pois já estavam em uma certa idade onde só poderia ser chá, nada de cafeína depois do cinquenta. Trabalhar como assistente tem lá suas vantagens de sair às seis da tarde e não às oito.
Andando pela rua posso perceber a quantidade de mentes vazias implorando para que alguém descobrisse os sentimentos apenas com o olhar, resolvo sentar-me em um escadaria que daria ligação à minha livraria favorita, meus fones já estão incomodando os ouvidos, resolvo tirar e apenas observar homens engravatados e mulheres com salto quinze. A correria do dia dia deixam as pessoas vazias, sem um nada, absorvendo a falta daquela wishlist adolescente com sonhos vontades, amores e o desejo de voar pelo mundo, ao crescer gravatas, pastas e exigências tomam conta de qualquer sonho e liberdade desejada e ter uma história de vida e não apenas mais uma história.
Imagine um papel cheio de linhas vazias, aí com o tempo começamos a completar com os desejos mais loucos, você cola na porta do guarda-roupas e quando cada um deles vai se realizando você risca com uma caneta hidro cor azul marinho. Mas aí você cresce junto com a mente, e infelizmente quando a mesma cresce nossos desejos são queimados no outro lado da estrada, como essa avenida que estou, onde ao atravessar você pode se perder em um pequeno caminho.
Nossa vida pode ser considerada uma obra, sim uma história própria e a grande vantagem é que podemos corrigi-la quando quisermos, arrumar pontuações e erros ortográficos seja em qual tempo verbal for. Podemos restaurar momentos mesmo que sejam diferentes, e reescrever o script quantas vezes for possível, tenha sua própria história da vida e não apenas mais uma história.
Lari F

3 comentários:

  1. Cada dia me surpreende com tantas palavras inspiradoras, Te amo.

    ResponderExcluir
  2. Que lindo! Parabéns pelo texto, Larissa. Teu pai foi meu colega de escola em Jacareí, lá nos idos anos 80, e atualmente moro em São Paulo. Também fiz faculdade de Letras - duas, de fato - uma em Alemão e outra em Português. Caso queira ou precise de algo em que eu possa lhe ser útil, vou adorar ajudá-la!

    beijinhos,

    Carmen Martins

    PS: também sou blogueira, mas da área de Decoração. Venha me visitar, quando puderes: www.achadosdedecoracao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Nossa, que demaaaisssss, este mundo é bem pequeno. POde deixar quando precisar vou entrar em contato !!! obrigada beeijos

    ResponderExcluir

A Blogueira

A Blogueira
Estudante de jornalismo,20 anos.Tenho uma paixão por romances, Paris, cor de rosa e morangos. Gosto de dias nublados e arranha-céus ... Apenas leia meus sonhos líricos.

Visitas

Instagram

Curta no Facebook

Twitter

Followers

Translate

Larissa Figueira. Tecnologia do Blogger.

Postagens mais visitadas