terça-feira, 10 de setembro de 2013
Uma tarde chuvosa de vinte quatro de agosto, Valentina não sabia o real significado das estrelas perto da lua e muito menos o motivo de que tanto as pessoas diziam sobre sonhos e esperanças...
Não obtinha tempo para pensar, afinal, quando se tem desessete anos nada parece fazer o real sentido na vida, os pais querendo sua prisão eterna no interior, fim de relacionamento e a vontade de livre voar pelo Mundo à fora somente num banco de ônibus.
Na verdade, meu caro, cade ítem de desespero de Valentina equivale a algo irreconhecível na vida, ter o transtorno de viver para sempre no interior já é um desespero pois ela necessita de seus arranha-céus diários, afinal para Valentina eles representam a liberdade, pois vão além de seus possíveis sonhos. Enfrentar o fim de um relacionamento é um dilema para todos seja homem, mulher ou os dois, mas no caso dela, foi diferente, a frase " fique forte" virou seu lema e a vontade de buscar a felicidade e ser egoísta com ela mesma, dominou seu ser, assim buscando a força nas tempestades mais barulhentas e na avenida mais movimentada.
Eu penso em pássaros voando e algo chamado amor exalando, bem na verdade, eu saberia definir o amor como em diversos textos se eu o sentisse, mas meu caro, não o sinto, algo me bloqueia, minhas palavras não são mais as mesmas, minha mente pensa diferente, meu corpo responde o contrário do que quero ser, e meu coração, ah! Nem sei se existe mais.
Realmente acho complicado a reação do meu heteronimo interno quando meu coração diz parar de sentir, não sei o que denominar, não sei o dominar, dizem que a vida é complpicada, nunca achei, muito menos Valentina, que sempre encontrou a vida perfeita, ao menos que tropessasse por escuturas na Paulista, mas isto era um fato, seu amor estava lá sempre para segurá-la, agora não sob uma avenida com garoas, ela para senta e observa o quão sonhador pode ser um homem engravatado, ou uma mulher que mau anda num salto.
O coaração manda aos olhos de quem sente, transmite as palavras ao som de quem sonha e vive num mundo de quem é forte, de quem fica forte.

Lari F

Nada do que eu já fiz me agrada. E o que eu fiz com amor, estraçalhou-se. Nem amar eu sabia, nem amar eu sabia.
Clarice Lispector

0 comentários:

A Blogueira

A Blogueira
Estudante de jornalismo,20 anos.Tenho uma paixão por romances, Paris, cor de rosa e morangos. Gosto de dias nublados e arranha-céus ... Apenas leia meus sonhos líricos.

Visitas

Instagram

Curta no Facebook

Twitter

Followers

Translate

Larissa Figueira. Tecnologia do Blogger.

Postagens mais visitadas