segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Dezenove de setembro de dois mil e treze, um dia comum, quinta-feira chuvosa numa cidade pacata, masnão por muito tempo... Sonhos iriam se relizar e arranha-céus à cerca de uma hora iriam aparecer. Uma ligação estranha antes de tudo isso é vista no celular, ela atende, e fica um pouco machucada, mas nada que a impressa de expressar sua felicidade.
À uma hora da tarde lá estava ela, na rodoviára de uma pequena cidade, com seu chapéu favorito e o cabelo um pouco diferente, mau dormiu de noite, um fato para quem iria realizar um sonho. O dia estava chuvoso e completamente nublado, mas nada disso importava, ela estava indo para seu lugar favorito no mundo, a cidade dos arranha-céus, a cada movimento do ônibus era uma trilha sonora difrente e o cheiro de que lá era o lugar que foi escolhido para viver seus sonhos. Eram duas da tarede, sua tia já havila lhe mandado uma mensagem de texto avisando que a estava esperando na rodoviária, ela estava chegando, a trilha sonora mudou, na verdade... Tudo mudou ela estava lá, na cidade dos sonhos, onde tudo pode acontecer e a cada palavra, cada pensamento passaria pelo topo do prédio mais alto, e isso, ah! Mas isso a deixava como se estivesse sonhando, como se estivesse num sono profundo, como a bela adormecida, mas ao invés de acordar um um beijo, acordaria com o sol batendo na ponta daquele arranha-céu mais encantador.
Ao encontrar sua tia, transpassa toda sua emoção para ela também, era contagiante, eram duas e trinta e cinco, estavam no metrô, já que faziam três semanas que não se viam , a garota estava contando sobre o fim de seu relacionamento duradouro, e sua tia sempre ao seu lado ajudando e aconselhando e dizendo que a vida era além dessas janelas sujas do metrô, e a vida dela, bem a vida dessa garota estava lá, a cada esquina, quarteirã e estação. Eram três horas, em ponto, elas desceram do metrô e foram à caminho do apartamento, e a garota deconrando o caminho e pensando que já consegue ir sozinha e se encontrar naquele bairro enorme, que um dia pode ser o lugar que irá morar. Neste lugar que podemos considerar que é uma "loucura" a hora voa e os sonhos correm. Já estavamos prestes a sair de casa, tia, primos e irmã, todos prontos para realizar o sonho da garota.
Ao sair do apartamento a garota mau fala, pois, fica observando cada um, cada arranha-céu, cada mente, cada sonho perdido, e imaginando como seria a vida de cada um... Havia trânsito, como de costume, e toda hora a garota olhava para o relógio do seu celular com o sistema não atualizado, e a cada movimento do carro estava cada vez mais perto do seu primeiro sonho a se realizar. Quatro horas e doze minutos o carro entra no shopping chamado Pátio Paulista e todos eles sobem por uma escada não muito grande que dá acesso às lojas, um lugar imenso mas somente com um objetivo, achar a livraria, perguntaram para duas pessoas elas as guiaram até o terceiro andar onde estava tudo muito calmo, um pouco estranho, mas relevante. Acharam ! A livraria estava lá, com a cafeteria favorita da garota lá dentro, tudo perfeito, a garota conversou com sua tia, comprou o livro e foi para uma fila que ão estava tão grande como imaginavam, ela e sua irmã entraram na fila, e passaram-se meia hora uma certa garota Isabella ( com dois ll) pegou um livro de uma banda bastante conhecida, a garota disse que era lindo, e assim ela e sua irmã ficaram amigas de Giovanna, Isabella, Amanda, Natália e Beatriz, elas ficaram por três horas na fila, tomando Frapuccinos e deixando todos animados com suas risadas contagiantes, elas tiveram uma amizade de três horas que pareciam de trinta anos, de tão ligadas que eram, e isso deixou a garota ainda mais animada e com vontade de nunca mais ir embora.
A garota saiu por uns minutos da fila para conversar com sua tia, e derrepente algo a assusta, algo tinha chego, seu sonho, aquela que mereceu toda a caminhada de um meio de semana, e toda a luta para chegar, até na parte de estacionar um carro, lá estava ela, Bruna Vieira, para mim, Bru, chegando com um vestido branco rendado e o maior sorriso do mundo. A garota voltou pra fila estérica junto a suas amigas de três horas, a fila andou, todas nervosas e a cada hora estava mais perto. A garota estava dentro já de uma sala bastante clara, com fotógrafos e uma garota simples com tatuagem de andorinhas lá, rindo e mostrando que todos os sonhos podem se realizar.
Sete e quarenta e oito chegou a hora, a garota subiu um degrau e foi de encontro com um abraço inesquecível, ela mau lembra o que conversaram, mas de uma coisa soube Bru é mais que uma "escritora favorita", mais que "uma ídolo", ela é a prova de que sonhos se realizam, e aquele lugar favorito no mundo pode ser ocupado por uma pequena escritora estranha também... No caso... Eu.

Lari F

2 comentários:

  1. Que lindooo *--*
    Adorei a forma que você foi contando tudo que aconteceu. Imagino que deve ter sido um dia inesquecível. A Bru estará na minha cidade sábado e estou loooouca pra ir *-*
    http://www.viciodiario.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. foi incríveeeeeeeel uma sensação única. Aproveita por que ela é super tudo !!! obrigadaaa beeeijos *-*

      Excluir

A Blogueira

A Blogueira
Estudante de jornalismo,20 anos.Tenho uma paixão por romances, Paris, cor de rosa e morangos. Gosto de dias nublados e arranha-céus ... Apenas leia meus sonhos líricos.

Visitas

Instagram

Curta no Facebook

Twitter

Followers

Translate

Larissa Figueira. Tecnologia do Blogger.

Postagens mais visitadas