domingo, 4 de agosto de 2013

Mas como eu posso sentir? Não existe o que eu possa pensar em sentir, o que é ela? Nunca a vi, jamais...
Não consigo descrever totalmente pensamentos incertos, são pedaços de páginas mau rasgadas que ficam em minha mente. Pareço estranha, mas estou somente em busca da minha chamada "liberdade", não me canso, mas parece que ela brinca de esconde esconde comigo, não a encontro.
Passaram-lhe semanas, posso até dizes muitos meses, desde que livros se rasgaram em minha mente, na verdade, desde que eu criei minha mente, eles estão lá. Pois, quando somos crianças nossos pais, ou "parentes" criam nosso podemos chamar de "auto-ser", programam nossa mente para o que eles desejam, e isso fere, ficam páginas e páginas com anotações e histórias "mau inventadas" sobre nosso próprio "eu".
Nossa vida "inventada" duram anos, até crescermos e construirmos nossa própria maturidade, e reinventar, ou seja, traduzir tudo aquilo que foi escrito por aqueles que desejam "manipular" de certa forma nossa mente, não estou os criticando, mas dizendo a realidade. Nós, meu caro, podemos ir adotando meios de rasgar e queimar páginas perdidas, e escerever a história que queremos para a nossa vida.
Sonhos e objetivos que somente nós podemos, a vida não será eternamente acompanhada por alguém, muitas vezes temos que caminhar sozinhos à procura da "auto felicidade", existem coisas escritas no livro da vida que precisam ser revividas por nós, por ela, nossa liberdade.
Ser livre não quer dizer sair de casa e comprar um apartamento, ou viajar pelo mundo, a liberdade requer somente a nós e a vontade da busca à felicidade.
Sempre gosto de dar um ênfase às andorinhas no céu, me sinto cada vez mais livre ao vê-las voando, sinto que acabaram de ser libertada da gaiola dos sonhos, ou também da felicidade, para mim elas apresentam um significado enerme de liberdade, pois podem livre voar, para onde o livro da vida as mandam.É maravilhoso ter um subconsciente repleto de desejos, mas apenas isso não adianta, devemos queimar todas as páginas mau rasgadas e recomeçar, para que nossa gaiola se abara e assim conquistar nossa própria liberdade, seja como ela for.
Mas como eu posso sentir? Não existe o que eu possa pensar em sentir, o que é ela? Nunca a vi, jamais...mas posso senti-la .

Lari F

2 comentários:

  1. ** Marquei seu blog em uma TAG lá no meu blog, passa lá depois: http://versatilidadesfemininas.blogspot.com.br/20...

    Beijos.

    ResponderExcluir

A Blogueira

A Blogueira
Estudante de jornalismo,20 anos.Tenho uma paixão por romances, Paris, cor de rosa e morangos. Gosto de dias nublados e arranha-céus ... Apenas leia meus sonhos líricos.

Visitas

Instagram

Curta no Facebook

Twitter

Followers

Translate

Larissa Figueira. Tecnologia do Blogger.

Postagens mais visitadas