domingo, 28 de abril de 2013
Era outono, eu estava ensaiando para um espetáculo que poderia mudar minha vida, ser bailarina era meu único "objetivo de vida", nada me tirava a atenção,ao não ser o sonho de "rodar" pelo mundo, apenas dançando.Os ensaios me consumiam, mas nunca, nunca passou pela minha cabeça em largar tudo, parecia uma vida que estava me esperando depois de dores, erros e conquistas.
Estava tudo planejado em minha lista de desejos, até eu ser surpreendia por algo que desconhecia, o destino. Ele me "fincou" com uma lança que até hoje não tive a capacidade de tirar.
Minha semana estava lotada, sobrecarregada de ensaios e tarefas a fazer antes de entrar no palco e deixar meu futuro ser decidido. Meu pai é contador, trabalha até de madrugada se for possível para ajudar em casa, minha mãe, professora, e vejo nela uma grande batalhadora, e sigo de exemplo, para mim a vida é sinônimo de batalhas e vencedores.
Caminhando pela avenida como todos os dias para ir ao ensaio,mas, em dezessete de maio, me chama a atenção, um rapaz, alto, moreno, pelas ruas vendendo salgados com a maior felicidade que o mundo poderia ter, me deixou intrigada em ver o quão o rapaz era feliz e sua maneira de sorrir trasbordava seus sonhos, não dirigi a palavra à ele, apenas observei e fiquei contemplando aquele sorriso por dias e noites em claro.
No teatro, estava lá por cinco horas, resolvi sair para ver o sol e também comer algo "rápido" para logo voltar ao "foco", me deparei novamente com o rapaz do sorriso dos sonhos, pedi um cachorro-quente, ele me deu cantarolando uma canção que falava de bailarinas, seus olhos brilhavam e motivava cada um que passava por aquela avenida tão apressada. Tive que parar e falar com o rapaz, sentamos em uma calçada enorme com vários degraus sujos e com copos de café instantâneo. O rapaz estava me contando o quão gratificante era trabalhar em um lugar tão apressado, cheio de vidas a se concretizar, sonhos perdidos e uma vontade de se tornar um "alguém" não definido, seu sorriso representava todos aqueles que esqueciam ou não tinham tempo de exalar alegria, ou até mesmo pensar em seus sonhos, seus brilhos nos olhos era o sinal de que a vida não é apenas uma correria e sim um mar cheio de diversão e vontade de se tornar alguém melhor do que fomos ontem.
Não analisei esforços comprei uns doces e logo mais voltei para o teatro, sorri e enchi de brilho meus olhos. Hoje estou aqui, andando pelo mundo com o meu amor e minha alegria de realmente ser como um rapaz um dia me dissera, feliz, com um sorriso de que tanto a sociedade precisa.

Lari F

0 comentários:

A Blogueira

A Blogueira
Estudante de jornalismo,20 anos.Tenho uma paixão por romances, Paris, cor de rosa e morangos. Gosto de dias nublados e arranha-céus ... Apenas leia meus sonhos líricos.

Visitas

Instagram

Curta no Facebook

Twitter

Followers

Translate

Larissa Figueira. Tecnologia do Blogger.

Postagens mais visitadas